sexta-feira, 27 de abril de 2012

Relacionamento intercultural: MUITO mais difícil do que parece

Há algum tempo atrás, eu li em algum blog, a autora escrever que se tivesse que aconselhar sobre relacionamentos com alguém de outro país - especialmente se este país for muito diferente do nosso - que ela não recomendaria. E essa semana conversando com o Emre, eu cheguei a essa mesma conclusão: eu também NÃO RECOMENDO.

Antes que me apedrejem, me ameacem de morte e tomem raiva de mim (rs, calma gente!), vou abrir meu coração e explicar o porquê.


Pra começo de conversa, namorar alguém da mesma cultura, do mesmo país, que possa entender a sua origem e quem você é, é infinitamente mais fácil do que amar alguém lá do outro lado do mundo. Daí que isso também não garante que um brasileiro, vá te amar e te entender - nem brasileiro, nem qualquer outra pessoa na verdade. Acaba que na vida, nada é mesmo 100% garantido, a não ser a certeza de que um dia todos morreremos.


Sabe o que eu recomendo? RECOMENDO QUE VOCÊ ESTEJA AO LADO DE QUEM VOCÊ AMA DE VERDADE, DE TODA A SUA ALMA, DE TODO O SEU CORAÇÃO.

Sabe o que eu NÃO recomendo? Que você se relacione com alguém de um cultura diferente, porque você seu sonho é poder dizer pros outros que seu namorado é estrangeiro, ou ter o sonho de morar fora do Brasil. OU então, simplesmente ter a ilusão de que tudo é fácil e incrível - porque não é.

E quando as duas coisas acontecem simultaneamente? Amar muito alguém (não disse paixão e encantamento, eu disse AMOR) e esse alguém ser de uma cultura tão diferente? Então minha amiga, se prepara porque lá vem muita coisa difícil  pela frente. E não são aquelas dificuldades que qualquer casal passa não. São essas dificuldade naturais de qualquer relacionamento, somadas à outras, só que 10 vezes mais difíceis.

Se você acha que com esse post eu quero desencorajar a quem, assim como eu, ama um turco, e passa por aqui para ler o blog, favor pare e desafaça esse pensamento agora, porque não é MESMO o que eu quero aqui.

Mas sabe o que eu acho justo? Eu acho justo quando uma pessoa pode fazer uma escolha de olhos bem abertos, consciente e esclarecida do que ela quer. O lado bonito, esse você já sabe. Você já vive desde o primeiro momento que conheceu o seu amado. As conversas são mágicas, os momentos entre vocês são lindos, os sonhos de vocês são emocionantes. Eu sei disso tudo, porque já passei por isso e ainda tenho muitos momentos assim. Portanto, você não precisa de mim nem de ninguém pra te dizer o quão mágico isso tudo pode ser.

Às vezes, o que todo mundo precisa é de uma dose de realidade. Uma dose do lado feio também, um dose de conhecimento da dificuldade que pode vir, uma dose da tristeza dos momentos duros. Por que eles existem pra mim e pra você. Seja no Brasil, na Turquia ou no Japão. Seja com seu namorado, com sua família ou com seus amigos. Seja você homem ou mulher. Tenha 20 ou 50 anos. A dificuldade é para absolutamente todos, basta estar vivo.

Mas será que mesmo sabendo de tudo o que pode existir de ruim também, você teria vontade de seguir em frente?

Vamos há alguns exemplos.
Lembrando que CADA HISTÓRIA tem um rumo e um desfecho diferente. Vou dar alguns exemplos da MINHA VIDA, de algumas histórias de pessoas próximas a mim, ou até de algumas que li por aí, pra você ter uma noção e se fazer essas perguntas, só como um teste e auto-reflexão:

1) Olhe para sua casa. Tenha você crescido nela, ou seja você morador recente. Como você se sente de deixar o seu lar, o seu canto, do seu jeito, para trás?

2) Pense na sua família. Sua mãe, seu pai, seus irmãos, seus primos, tios mais distantes, parentes próximos... Tenha você um bom ou mal relacionamento com eles... Como se sente em saber pode ser que demore meses ou até mesmo anos para vê-los pessoalmente? Como se sente em não poder abraçar sua família nos seus momentos de crise? Pense em todas as brincadeiras e risadas, que vão somente acontecer quando os fusos horários baterem, e se essas pessoas conseguirem bater com o mesmo horário que o seu, na internet.

3) Pense na suas manias e hábitos mais difíceis de serem abandonados. Sua comida favorita, seu jeito de guardar suas coisas e arrumar a sua casa, o doce da padaria da esquina que você adora, aquele shampoo com o seu cheiro favorito, o guaraná que você toma nos almoços de Domingo. Como se sente em, de um dia para o outro, não fazer mais nada disso e não ter mais acesso e nenhuma dessas coisas, mas começar a ter toda uma vida nova, sem as mesmas pessoas, sabores, gostos e lugares?

4) Se imagine, tentando explicar uma tristeza sua, uma dor física que esteja sentindo, se comunicar nas coisas mais bobas, fazer piadas, dividir momentos... e na maioria das vezes, não conseguir se expressar, ou não conseguirem te entender? Seja você imitando um personagem famoso do Brasil e as pessoas te olhando com uma cara estranha de quem não consegue achar graça, porque aquilo não faz sentido pra elas, ou seja você sentindo falta de brigadeiro (que quase todo mundo no seu país adora) mas que você faz, no seu novo país, e todo mundo acha aquilo estranho e não quer comer. Como você se sentiria?

5) Paçoca, Bananada, Maracujá, Feijão Preto, Leite Condensado, Guaraná, Açaí, Aipim (ou Mandioca/Macaxeira), Cajú, que agora você só vai comer em ocasiões especiais e em muito menos quantidade, porque ou não tem onde você mora, ou são muitos caros porque só vendem em lojas especializadas em produtos importados... Tudo bem pra você?

6) Você que teve sempre amigos homens ou mulheres, sempre riam juntos, saíam juntos, conversavam por horas, brincavam com o maior carinho, de repente se você tendo que mudar esses hábitos em relação aos do sexo masculino. Você agora fala menos com eles, ou não fala. Ou ainda que continue falando, já não pode abraçar ou ficar muito próxima fisicamente (não disse, AGARRAR O AMIGO, disse, a proximidade normal e calorosa que estamos acostumados, dentro do limite do respeito), porque o seu amor, simplesmente por uma diferença cultural, não consegue entender absolutamente o porque daquilo e tem muitas e muitas brigas com você por causa desse assunto.

7) Se você tem aquele vestido favorito, aquela blusa de presente que ganhou de uma grande amiga, ou aquele short que te acompanha por váááários verões, largaria de mão, facilmente e nunca mais os usaria porque seu namorado pede pra você não usar mais? ( E mais uma vez, não disse, MICRO SHORT e Decotão, ok? To dizendo as vezes de um vestido, que todo mundo sempre considerou "normal", mas estar há alguns dedos acima do seu joelho e ser considerado, curto demais, por exemplo).

Eu poderia continuar infinitamente nesta lista.
Quem tem a razão? Todo mundo tem. Você ou o seu amor.
O que é o "normal", como é no Brasil ou na Turquia? Ambos são "normais" (entre aspas, porque normal varia MUITO de um ponto de vista, não é verdade?)
O que é melhor? Não existe melhor, só existe aquilo que somos acostumados. Aquilos que os pais, dos pais, dos pais, dos pais, dos pais, dos nossos pais foram ensinados a fazer e que estão, sem nem entendermos como, correndo nas nossas veias.

Quem vive um relacionamento com um turco na prática, ou pensa em viver, em algum momento pode sentir ou se questionar algumas dessas - ou outras - questões. Quem está de longe e ainda não sentiu isso na pele, pode achar tudo um bando de futilidades e coisas muito pequenas se compararmos ao amor do nosso companheiro. Mas no dia-a-dia, na luta da vida real, tudo isso junto pode SIM fazer toda a diferença na nossa vida. E algumas dessas pessoas, depois que já estão lá, e a coisa tomou proporções maiores, é que finalmente conseguem entender que namorar ou se casar com um estrangeiro, são é só bacana e incrível de se contar pros amigos e publicar no Facebook. Que mudar de país e começar tudo do zero, não é só um conto de fadas onde tudo é mágico sempre, porque afinal, você está no exterior e blá blá blá.

Quem pensa só nisso ainda não está de olhos abertos.
Um casamento com alguém de outro país pode sim ser incrível - tenho muitas histórias assim pra contar. Agradeço MUITO a Deus, por ter conhecido o Emre, porque não consigo mais imaginar minha vida com mais ninguém além dele. Isso depois de muuuita espera, depois de muita briga, depois de ter ouvido coisas que não gostei, depois de ter dito coisas que me arrependi, depois de ver ele careca, depois de ele ter me visto descabelada e desarrumada, depois de ter visto ele pagando mico, depois de ele ter visto meus fracassos, depois de eu perceber que tem coisas que nunca vou concordar com ele, depois de ele saber do meu passado...
Depois de tudo isso, ainda assim, vi que hoje quando ele saiu do quartel e foi na LanHouse pra me ver, olhávamos para um para o outro com o maior sorriso do mundo, de quem sente saudade de verdade, de que ama o outro e ama estar com o outro.

A fase da perfeição vai acabar e isso é normal, é importante até pra que o relacionamento cresça.

Então à vocês, minhas queridas que passam por aqui pra dividir experiências, o que eu tenho pra dizer hoje é: saiba que uma conversa inocente de MSN com alguém novo, pode SIM mudar toda a sua história para sempre. Podendo ter um "final" triste ou muito feliz (entre aspas de novo, porque acho que a nossa história sempre tem continuação e não só um final). Então, estejam preparadas, estejam conscientes, porque a vida tem todo o tipo de história. Não é somente falar "askim" pra cá, ou "seni seviyorum" pra lá. A vida é, sem sombra de dúvida, muito mais complexa do que palavras bonitas.

Se você tem total consciência disso, se tem os olhos bem abertos e está disposta a abrir mão de muita coisa que antes era IMPRESCINDÍVEL pra você e tem muito, mas MUITO amor no coração por aquela pessoa, eu digo: toda a sorte do mundo pra você, que você seja mais feliz do que minhas palavras estejam te desejando! Mas se ainda nunca parou pra pensar nisso, se ainda não refletiu nas consequências e acha que está tudo perfeito, desconfie e pense outra vez.

Nem você, nem eu, queremos ser pessoas que mudaram toda a vida por algo que não existia, ou até mesmo que não estávamos verdadeiramente dispostas a viver (por simplesmente não temos pensado melhor antes, ou discutido afundo este assunto antes - e quando eu digo afundo não é só perguntar onde vão morar no futuro, mas é saber de tudo mesmo, expor ideias, opiniões, dividir sonhos, questionar situações complicadas, indagar questões financeiras e sobre filhos, ser sincero sobre a sua religião e a do outros, etc).

Esse post é um desabafo meu, que apesar de muito grata a Deus e extremamente feliz por tudo o que tem acontecido, quis expressar que essa menina aqui às vezes também chora de saudade de casa, que tem sentido o peso da nova adaptação - apesar do incrível apoio e benção que tenho recebido -, e que como outro ser humano qualquer, algumas vezes para ese pergunta "Meu Deus do céu, quê que eu tô fazendo aqui?" rs.

Esse post é também um alerta pra todo mundo que tá começando um relacionamento assim. É claro que é até compreensível a gente cair na besteira de mergulhar no mundo cor-de-rosa do amor, sem conseguir ter a real dimensão que a sua história de vida pode tomar  no futuro. Afinal como vamos saber que por causa de um relacionamento que começou em simples trocas de primeiras palavras com aquele desconhecido, a sua vida irá vira de ponta cabeça? Mas eu encorajo que todas tenham muito pé no chão a cada passo e que não se permitam iludir nem pelo outro, e especialmente por si mesmas - porque sim, às vezes somos as maiores responsáveis pelos nossos próprios enganos e arrependimentos.

Tem um post MUITO bacana da Dani, do blog Diário da Dani, também sobre relacionamento intercultural, que vale muito a pena ler, é só clicar aqui.

Se eu falei alguma besteira, já peço desculpas adiantadas, mas espero que sirva de alguma coisa.
Beijocas, minhas flores queridas. Fiquem em paaaaz :)

23 comentários:

Katita Karaman disse...

OOoown Jessinha... eu me vi em cada palavra sua... E tenho uma coisinha a mais para completar... MORAR junto, é ainda mais dificil... Nao é nada facil dividirmos o mesmo teto com uma pessoa, mesmo com tanto amor, é necessario uma boa dose de paciencia...

Sabe, vc falou uma coisa que eu gostei muito... a fase da perfeiçao vai passar... e é nesse exato momento que voce vai descobrir se era amor ou nao... afinal, o que nos faz cegas é a paixao...

Quem ama tenta corrigir ou entrar num acordo :)

Fica com Deus por ai... eu sei exatamente o que esta passando!

Tı amuuuu S2

Beijo grande!!!!!

Ela in Love disse...

Concordo com você Jess. Não é fácil. Mas é nessa hora que vemos o que realmente queremos, as nossas prioridades, sonhos, e não sei se é a expressão melhor, mas colocamos tudo na "balança". Tem muitas meninas que não estão dispostas a uma mudança radical e não abram mão de continuarem no seu pais e deixam isso bem claro desde o início do relacionamento. Assim como muitos homens desde o início já se mostram como são, com seus costumes diferentes, e que querem que sejam respeitados. Isso tudo vai depender de casal para casal. O que os dois combinaram e planejaram. O que eu acho ruim mesmo é quando essas coisas não são "acertadas" desde o início e depois de um tempo ambos têm "surpresas" ao longo do relacionamento. Ou quando não sabemops o suficiente sobre a cultura do parceiro. É importante termos informação para sabermos se é isso mesmo que queremos...
Apesar de tudo isso, vejo histórias lindas de amor que superaram essas dificuldades. Adoro o teu blog, beijos!

Melisa disse...

Concordo numero gênero e grau, pois ao conviver com outro ser humano é muito difícil, mas como fazemos choque cultural e como e quando você veste uma roupa a pessoa da uma olhada e diz isso "not,not end not"
no começo queria morrer ao ouvir está palavra me sentia uma criança que começa ouvir sua primeria palavra "não", mas por outro lado vejo como é na minha familia meu pai um homem maravilhoso e super companheiro mas um ciumento ao extremo com minha mãe já perguntei porque a senhora aguenta ? ela diz filha para termos uma boa convivência devemos par por cima de umas coisas e outras fazer vista grossa ser mulher não facil o pior quando você vive 8 anos casada e a 9 anos solteira acostumar novamente dividir um teto 24 hs uiiiiii, mas o amor que prevalece no final

Anônimo disse...

Nossa, Jess...Voce sempre arrasa nos posts, mas este é especial...
Apesar do meu pouco tempo a[i na Turquia (1 semana), vivi cada um dos conflitos..Comer a comida de outro país foi magico, mas quando voltei a comida da mamae estava mais gostosa que nunca. A questao das roupas, tive problemas tambem..Nao levei nada curto ou decotado, ate porque era inverno..Mas, nao pide usar tudo que gostaria, como eu gostaria..Porque ele pedia pra troca ...Acabava cedendo, afinal ja era tao pouco tempo com ele..Vi as diferencas nas relacoes de amizade tambem..Quando eu conheci o amigo dele fui logo sorrindo e abracando...Recebi uma cara feia logo em seguida..e assim por diante....Otimo vc colocar essas diferencas, porque realmente nao e facil! Minha relacao nao era um conto de fadas e nao se tornou depois que fui la...Repensei muito sobre tudo isso que vc colocou aí quando voltei...E vi que abrir mao da nossa vida aqui é muito dificil...Desejo muita sorte e felicidades as que fazem isso..Sao corajosas e lutam pelo amor...
Parabens pelo post...Tudo de bom...

Luciana

Marise disse...

Ótimo seu post! É isso aí. Sem tirar nem pôr.
bjo. :)

Dani disse...

Ai Jéssica, é isso mesmo. Excelente post. Quando começamos com essas histórias geralmente não temos ideia de como isso vai seguir, então é bom alertar as meninas.
Tem hora que eu surto... mas vamo que vamo! rs
Beijos e boa sorte pra nós!
Fica bem!

diariodadanis.blogspot.com

Maria Flávia disse...

Eu sempre passo por aqui pra dar uma lida nos seus posts. Mesmo não namorando alguém com uma cultura tão diferente como é o seu caso, eu já passei por algumas coisas parecidas e isso me fez ver o quão forte é o meu relacionamento. Gostei muito do que você escreveu e acho que todas que vivemos esse tipo de relação já passaram por esse tipo de situação alguma vez. Espero que tudo saia bem no seu caso e que você seja muito feliz na Turquia.
Beijocas

lunacaifan.blogspot.com

Elis Baki disse...

Eu tbm concordo muito com você... e o pior é que quase sempre nem podemos falar dos nossos verdadeiros sentimentos para a nossa própria família no Brasil, pq se falar eles logo soltam o famos: "Tá reclamando do que? Ta morando fora? Quer coisa melhor?" Só quem passa por isso sabe como é na verdade... tem que ter muita força de vontade e desprendimento para conseguir recomeçar do zero num país novo...
Sem falar das imensas diferenças culturais, que no começo chocam!
Muito bom o seu post, bem esclarecedor, mas tenho certeza que a meninada que está começando a se envolver agora, tá tão encantada que nem vai dar ouvidos... rsrsrs

Bjão

Grazi disse...

"A vida é, sem sombra de dúvida, muito mais complexa do que palavras bonitas."

Falou tudo!!!

Planejar um futuro a dois entre pessoas de um mesmo país já é complicado, imagina de países e culturas tão diferentes.
Em uma vida a dois é necessário adequação e saber conviver com possíveis "defeitos" do parceiro. Coloquei entre aspas, pois geralmente algo que pode ser visto como uma qualidade por uns, se não gostamos acaba se tornando um "defeito".
De qualquer maneira, quem tem um relacionamento com um estrangeiro, seja ele de onde for, deve sim colocar tudo na balança e ver se vale a pena. Uma decisão mal pensada, tomada na hora da empolgação, pode fazer muita gente se dar mal.

Ótimo post, parabéns! :)

Anônimo disse...

É Jessica Mangia, a realidade não é tão cor de rosa... E sempre pode ficar ainda mais difícil...Imagine se tiver filhos no meio!? Não vou entrar em detalhes, pois não tenho muito tempo, mas só digo que tem que ter muito amor e paciência pra suportar todos os pequenos (mas que acumulados se tornam grandes) estresses com a sogra e cia limitada, rss. Tem uma coisa que me intriga na Turquia, porque na TV tudo pode (ex: vestido curto) e na vida cotidiana não!?
Beijos, Grazi.

Daiane Souza. disse...

Oi Jessica.

Adorei o post está excelente, eu concordo plenamente como que você escreveu, nada em um relacionamento é cor de rosa, essas coisas de religião, roupas sempre o Love vai implicar com algo, tiro isso do meu Love turco que as vezes implica na questão de religião e etc.

Beijos Daiane Souza.

Luciane Köşlü disse...

Falando diretamente: quando vc começa a recolher tudo o que ele deixa espalhado, lavar a cueca suja e descascar fruta depois da janta porque a "anne" assim o acostumou a coisa começa a entortar ... bem, casar com um turco tem suas vantagens mas tem essas "questoes" e "tarefas" que vao ficar tudo no seu nome ... é o preço.

Nany disse...

Nunca tinha lido algo tao sensato sobre o assunto como tudo que vc escreveu, apesar de ser tao novinha pois da pra perceber, vc è uma pessoa muito centrada e verdadeira..parabèns

Anônimo disse...

Estou apaixonada por um turco e ele por mim. Somos casados e ate hoje não sei como isso aconteceu. Nos falamos através da internet e só o conheço pela camera. Estou completamente transtornada porque nunca me interessei por esse país e muito menos por seus moradores. Mas não consigo mais viver sem essa paixão. Não desejaria essa situação nem pra minha pior inimiga! Não sei o que fazer!...

Akma Sixcor disse...

Mais uma para reforçar o coro,rsrsrs.
Gostei mto do seu post e de td o blog. Nossa, como é bom saber que outras brazucas estão na mesma situação que eu :)

Beijooos.

Sabrina disse...

Concordo super!Você falou tudo,e em tudo que você passou..estou passando ou já passei,sei muito bem.Chorei lendo isso.Ninguém que leu,pode falar que não foram avisadas!
Beijoss Jessica.

Anônimo disse...

Eu, sinceramente, conheci um pela internet. Não nos vimos ainda, mas sei que mesmo brigados agora, por questões culturais, o sentimento ainda vai longe, pelo menos o meu. Havíamos combinado o encontro, mas sei o quanto seria, ou será, difícil a vida lá, mas sem ele também.Tudo o que foi dito já pensei e, por isso, se não houver muito diálogo, amedronta...

Anônimo disse...

olá Jessica adorei tudo que você falou, olha posso falar com você no msn estou passando por uma situação muito complicada, si sim min add moreninha465@hotmail.com obrigada marri

Karynne A Butelli disse...

i Jessica!

Parabens não só por saber escrever tão bem, mas pela maturidade emocional, me surpreendeu! Alma antiga vc, não é à toa que tá encarando a nova vida numa civilização tão cheia de raizes culturais e valor à familia (oposto imfelizmente do nosso país).

Realizei um sonho mto antigo (desde 96!) de conhecer a Turquia, fui em março agora de 2013. Fiquei apaixonada! Não sei explicar, mas parece que já vivi aí, me enquadro mto bem nessa cultura! Sou uma brasileira só de nascença. Não teria problemas nesses exemplos do cumprimentar amigos ou roupas. Fiquei encantada com o respeito que dão aos mais velhos, à familia. Na Capadocia vi isso de perto e conheci um turco vendendor de cerâmicas, casado com uma brasiliera (me contou a historia toda num perfeito português mineiro uai rs). Se identificou pela cidade natal da esposa, que era fulano de Pindamonhangaba!!!! Um turco conseguir pronunciar essa palavra imagina. E me explicou que qdo solteiros são da cidade q nasceu, depois q casam, pertencem à cidade da esposa! Quer coisa mais poética??? ENFIM td isso aumentou ainda mais minha admiração. Tb fiquei apaixonada por Istambul...sem ter a chance, me vi correndo tds os dias à beira do mar de mármara! (espero que vc faça isso e se n o fizer ainda, faça por mim rs!!!!). Ate consegui um emprego aí na agência de turismo que fechei o meu receptivo todo na Turquia. Mas ganharia pouco para arcar com tda uma vida (mil turcas liras). Mesmo tendo 35 anos e n me achando mais tão nova para isso, até arriscaria se a grana cubrisse tdas minhas despesas. Queria ter essa experiência (já morei fora, 1 ano em Londres em 98), aprender o turco, comer essas comidas vegetarianas maravilhosas e quem sabe dar a chance p o destino (conhecer o amor da minha vida). Tô cansada de homem latino. Sei q vc falou que aí tb tem homem galinha, mas igual aos brasileiros DUVIDO! Aki tá no DNA, eh cultural essa coisa de olhar p td qto é bunda q passa...colecionar mulheres e a moda, casar e trair...Tô fora! Já n me enquadro nessa de ficar...Fico sim, 2 anos sem dar um beijo em ninguem pq pura opção! Achava q tinha alma indiana (namorar para casar) mas agora vejo que minha alma é turca rs!!!!

Karynne A Butelli disse...

i Jessica!

Parabens não só por saber escrever tão bem, mas pela maturidade emocional, me surpreendeu! Alma antiga vc, não é à toa que tá encarando a nova vida numa civilização tão cheia de raizes culturais e valor à familia (oposto imfelizmente do nosso país).

Realizei um sonho mto antigo (desde 96!) de conhecer a Turquia, fui em março agora de 2013. Fiquei apaixonada! Não sei explicar, mas parece que já vivi aí, me enquadro mto bem nessa cultura! Sou uma brasileira só de nascença. Não teria problemas nesses exemplos do cumprimentar amigos ou roupas. Fiquei encantada com o respeito que dão aos mais velhos, à familia. Na Capadocia vi isso de perto e conheci um turco vendendor de cerâmicas, casado com uma brasiliera (me contou a historia toda num perfeito português mineiro uai rs). Se identificou pela cidade natal da esposa, que era fulano de Pindamonhangaba!!!! Um turco conseguir pronunciar essa palavra imagina. E me explicou que qdo solteiros são da cidade q nasceu, depois q casam, pertencem à cidade da esposa! Quer coisa mais poética??? ENFIM td isso aumentou ainda mais minha admiração. Tb fiquei apaixonada por Istambul...sem ter a chance, me vi correndo tds os dias à beira do mar de mármara! (espero que vc faça isso e se n o fizer ainda, faça por mim rs!!!!). Ate consegui um emprego aí na agência de turismo que fechei o meu receptivo todo na Turquia. Mas ganharia pouco para arcar com tda uma vida (mil turcas liras). Mesmo tendo 35 anos e n me achando mais tão nova para isso, até arriscaria se a grana cubrisse tdas minhas despesas. Queria ter essa experiência (já morei fora, 1 ano em Londres em 98), aprender o turco, comer essas comidas vegetarianas maravilhosas e quem sabe dar a chance p o destino (conhecer o amor da minha vida). Tô cansada de homem latino. Sei q vc falou que aí tb tem homem galinha, mas igual aos brasileiros DUVIDO! Aki tá no DNA, eh cultural essa coisa de olhar p td qto é bunda q passa...colecionar mulheres e a moda, casar e trair...Tô fora! Já n me enquadro nessa de ficar...Fico sim, 2 anos sem dar um beijo em ninguem pq pura opção! Achava q tinha alma indiana (namorar para casar) mas agora vejo que minha alma é turca rs!!!!

Anônimo disse...

Eu quase chorei qdo li ''deixar familia e amigos''... Ai q dor no coração! Eu ja namorei dois turcos e desisti por causa das diferenças culturais. Qdo começam com a ciumeira, me da um desespero e acabo terminando, nao tenho paciencia! Ate pq, sou cantora, imagine um cara ciumento... Nao da ne gente.

nilson disse...

ola também sou apaixonado pela turquia quero um amor da turquia

nilson disse...

Sou apaixonado pela cultura turca se acaso tiver algum amigo brasil que quiser ir tentar a sorte de ir morar na turquia eu aceito junto podemos dividir as despesar e um ótimo pais para morar e para nós brasileiro e bom os turco gosta muito do povo brasileiro já tenho um pouco de conhecimento e o idioma não e difícil de aprender com pessoa que se interessar entra em contato comigo 005518-997138048 ou 005518991117876 ou me adicione no fecc nilson marques da silva safir podemos juntos viver na turquia abraços