quinta-feira, 28 de julho de 2011

Relacionamento a distância: imagem real ou imagem ideal?

Eu tenho uma teoria sobre relacionamentos à distância.
Para construir essa teoria dentro da minha cabeça, tenho 3 fortes aliados:
- meu grande poder de observação do comportamento do ser humano (com uma dose de "sexto-sentido", "sensibilidade" ou o que quer que você queira chamar)
- fazer comunicação social, e estudar matérias como sociologia, teoria da comunicação, comunicação e novas tecnologias, mídias digitais, estudos contemporâneos da comunicação, comunicação comunitária... (minhas matérias favoritas, e geralmente de maior nota)
- ter uma mãe que lê muito, que trabalha com a cura do trauma, aconselha pessoas, entender horrores de psicologia, é professora... com isso acabo sendo aluna vitalícia e vendo, com mais clareza, muitas coisas sobre o ser humano.

Lembro uma vez na sala de aula, a professora falando das multidões de solitários. As configurações de famílias estão se tornando as mais diversas possíveis. As pessoas andam mais centradas em si, e não na unidade familiar. Cada membro de uma família, almoça na sua respectiva empresa, distante dos outros membros. Mas se existe a chance de todos estarem em casa, ainda assim, um almoça no quarto, outro na sala, outro na cozinha... ou até mesmo todos na cozinha, mas em horários diferentes.
As pessoas se isolam do círculo familiar, e se aproximam cada vez mais do círculo virtual.

Claro que não é a maioria, mas meu avô, quase nos seus 70 anos, fica horas e mais horas dentro do quarto, com a cara no computador. Antes era a cara na TV. Mas hoje ele vê resultados da mega-sena, vê as casas de parentes e amigos pelo Google Maps, adiciona antigos colegas do Corpo de Bombeiros no Facebook e adiciona fotos das pinturas que faz, nos albums do seu perfil.

Os computadores têm se tornado os melhores amigos, guias e professores de quase todos nós. Ao acordar, ao por os pés em casa, a PRIMEIRA coisa que faço é ir para o computador. Mas a minha geração de amigos comunicadores e modernetes parece estar plugado diretamente nos seus iPhones e Blackberry's.

Não vou ficar dando aula aqui sobre Redes Sociais.

Mas o que acontece, é que mudamos o foco da nossa vida para o virtual. Viva a era da comunicação e internet!E viva mesmo.  Mas o que acontece, é que a partir daí nos isolamos um poucos mais dos amigos de carne e osso, e começamos a migrar para as amizades virtuais. E ter um amigo virtual, nos dias de hoje, é muito mais fácil e prático.

Contar problemas, segredos, desabafar, pedir conselhos... alguém, que não necessariamente, pode ver o seu rosto pode ser um alivio e tanto. As pessoas perdem um pouco mais do pudor e quebram a barreira da vergonha e conseguem se abrir mais, conversar mais. É até engraçado, porque muitos daqueles mais populares online, muitas das vezes são os mais calados, mal-humorados e até briguentos com a família no offline. Não é regra, mas o povo da faixa etária 12-17 anos tá bem assim mesmo. Eu já fui assim, aliás.

2 da manhã, sua família está dormindo. Está muito tarde para telefonar para um amigo. Você abre a telinha do computador, e está lá, alguém, uma outra pessoa online, disponível pra você dividir algo do seu dia.

Mas é claro que as pessoas vão se relacionar mais e mais profundamente virtualmente.
Não do mesmo jeito, não pelo mesmo motivo exatamente, não sob as mesmas circunstâncias.

Mas definitivamente todos têm algo em comum: o novo sentimento de se sentir próximo de alguém do outro lado do mundo. Especialmente porque pessoas virtuais, estão sempre ali quando precisamos. Mas também podem desaparecer se essa for nossa vontade. Apenas um clique e você pode deixar para falar com o amigo, só na semana que vem. As vezes, nunca mais.

Quem está longe tem menos defeitos. Até o seu amigo, não tem tantos defeitos como o seu irmão.
Pois experimente morar com o seu amigo ao invés do seu irmão. Você verá com clareza os defeitos de quem está mais perto de você, e verá com muito mais frequência o erro daquela pessoa. De repente parece que o jogo inverteu, e seu irmão nem era tão irritante assim.

Será que as características dessas pessoas mudaram? Mas é claro que não. Foi o seu ponto de vista que mudou. E com a memória curta que nós temos, sendo impulssionados pela saudade, passamos ver o que era ruim, como algo maravilhoso. É assim que aquela história da 'grama do outro lado é sempre mais verde' se perpetua. Da nossa incapacidade de nos manter conscientes sobre a imagem de alguém. Com a mesma força que amamos, também odiamos. Com a mesma força que criticamos, no dia seguinte, estamos elogiando.

Acho isso até bem positivo, se for pra mudar o conceito ruim que você tinha de alguém. Não acho falsidade não gostar muito de uma pessoa, e dentro de algum tempo se tornar amigo. Acho isso bonito, porque afinal, muitas vezes nos enganamos sobre diversas pessoas. No meu segundo período de faculdade, não gostei muito de uma amiga em comum. E durante um bom tempo não consegui me aproximar ou ver vê-la com outros olhos. Porém, no último ano, surpreendentemente, ela se tornou uma das pessoas que mais me deu a mão, quando passei por um momento terrível. Graças a Deus, eu estava errada. Fico feliz de ter tido a chance de recomeçar aquela história.

Mas o que não vale é mudar essa opinião a respeito de alguém, de acordo com a proximidade (ou distância) que ela possa estar. E taí, o ponto que eu queria chegar, sobre os relacionamentos a distância.

Li no Facebook de uma amiga hoje sobre a culpa que temos a nos relacionar com alguém virtualmente. Na internet, as pessoas mentem, melhoram, aumentam, escondem das informações mais bobas, até aquelas mais graves e que precisam ser ditas. E por causa dessas informações, muitas decepções acontecem, e inúmeros corações são partidos. Isso não é culpa de ninguém, senão de quem mentiu, ou não foi transparente como deveria ter sido. Tem que ser honesto.

Mas quando o outro é honesto, e não conseguimos ver a verdade porque projetamos aquela imagem na nossa cabeça, a culpa e única e exclusivamente nossa. Se alguém te diz por exemplo que não quer um compromisso sério no momento, não vá na sua cabeça dizer "ele diz isso agora, mas deve me amar sim, eu sinto isso". Se você vê indícios e provas claras de que as coisas podem não ser como parecem ser, dê um pouco de crédito a si mesma, e honre o cérebro que você tem.

Não é pra ser ALOKA desconfiada de tudo e de todos não. Simplesmente veja com olhos abertos. Não é pra 'ver de olhos fechados', nem botar lente de aumento pra ver o que não existe. É para, pura e simplesmente, ver. Só isso, fácil assim.

TODAS as mulheres que eu conheço e me falaram de seus namorados virtuais, me disseram que eles eram diferentes de todos os outros homens, que eram especiais, carinhosos, românticos, bons rapazes. TO-DAS. Não é possível que todos eles sejam mesmo príncipes encantados. Será que tem uma tecla no computador, que quando um homem senta lá, e se comunica com uma outra mulher, transforma ele de sapo, em príncipe?
Claro que você deve e pode se encantar quando está apaixonada, é direito seu. Você merece sentir isso.
Mas uma coisa que eu quero atentar é: cuidado! Se você empurra alguém pra dentro daquele ideal de perfeição que você tanto procura, mesmo sem a pessoa estar 100% dentro daquelas características, você vai sofrer.
Vai sofrer e vai fazer o outro sofrer também. Porque se você coloca em alguém o título de perfeito (e ninguém o é),e aquela pessoa erra, imagina a dor e a decepção que você vai sentir! É muito duro quando nossos olhos brilham por alguém, e aquela pessoa cai lá de cima do pedestal. É decepcionante e difícil para os dois lados.

Confesso que no começo do meu relacionamento com o Emre, eu era bem assim. Não via absolutamente NENHUM defeito naquela doce criatura. E isso tá errado. Vamos imaginar que eu por exemplo, logo em seguida decidisse ir pra Turquia e me casar logo de cara (nada errado em casar de cara, conheço uma história especial assim, cada caso é um caso). Eu sei que teríamos problemas. Não que eu não vá ter problemas daqui há alguns anos, porque né, eu sou humana e QUALQUER casal tem suas briguinhas, suas crises, seus problemas. Tem nada de errado nisso aí, porque são 2 cabeças pensantes e distintas. Fora toda aquela história de diferença cultural, religiosa, de nacionalidade e mil coisas. Com um casal do mesmo bairro já é assim, ninguém vai me convencer que num casal a distância, seria diferente.

Com os dias que ficamos juntos, tanto aqui no Brasil, como lá na Turquia, pude ver o verdadeiro Emre. E ele pôde ver a verdadeira Jessica. A irritadinha, que não é prendada, e preguiçosa, a atrasilda... E eu também vi a outra parte do Emre, que a webcam não deixa ver. Tivemos nossas briguinhas, pedimos desculpas, nos acertamos (e continuamos a fazer nossos ajustes) e olhe que lindo: nos amamos do mesmo jeito.

Claro que não somos o casal supremo da sabedoria, nem somos o modelo perfeito pra ninguém. Mas finalmente estou vivendo algo na minha vida, que já deveria ter aprendido a tempos. Mas paciência! Não tinha conseguido aprender antes, e fico feliz que esteja conseguindo aprender de coração para colocar isso em prática agora.

Ele continua sendo o meu príncipe encantado. Agora não estou cega, fiz meus pedidos em relação à coisas que ele fez que me deixaram triste ou poderiam ser melhoradas. Se brigamos, ficamos o quê... 30 minutos, 1 hora irritados. Mas todo o resto do tempo, ele continua sendo meu príncipe, o homem com quero me casar, que quero que seja o pai dos meus filhos, o homem que quero dividir minha vida, o homem que quero lutar e construir meu futuro do lado. Mas agora como o vejo, e como ele me vê é muito mais justo. Porque posso ser eu mesma (claro que o tempo todo tentando ser melhor e me desculpando pelos erros que venha a cometer), mas com a certeza de que ele está tomando um grande passo na vida, conscientemente. Ele não vai noivar comigo no ano que vem (se Deus quiser!), por uma fantasia que ele criou, ou por causa de uma personagem que ele criou. Isso vai acontecer, porque ele ME ama. Eu mesma, desse jeito que eu sou. E mesmo com tudo de errado, ainda assim ele me quer. Tem como não se sentir maravilhosamente feliz?

Quanto a mim, sei que estou tomando uma decisão sensata, com muita dose de sonho (porque uma história dessa que atravessa o oceano, tem mesmo que ser especial :), mas sem projetar ninguém, sem imaginar nada, sem ser enganada, sem estar iludida. É uma decisão minha, que escolhi de verdade, com todo o meu coração. O medo vêm, mas depois de desembaralhar o real do ideal, vejo que a realidade dele, é mesmo tuda aquilo que eu sempre idealizei pra mim. E não o ideal que montei, se despedaçou quando o real dele finalmente apareceu.

Acho que isso é amor. :)

terça-feira, 26 de julho de 2011

Música Turca - Minhas Favoritas! (e outras mini informações) NEW

[atualizado - lá no final]

Então, tem uma série de posts que quero fazer, e outros que estou preparando mais pra frente...

Mas por hoje, meu excelentíssimo senhor namorado estava me enviando músicas, e eu pensei dividir algumas aqui. Não um post com muitas coisas escritas, mas para simplesmente mostrar alguns estilos de bandas ou cantores que muita gente não imagina que tenha por lá.

Por exemplo, quando mostro algumas cantoras, alguns amigos meus já disseram "nossa, Jessie, as mulheres lá podem se vestir assim?". Claro que podem, Turquia é um dos países mais misturados e abertos que eu conheço.
Não tanto em diferença étnica como existe no Brasil, mas você vê pessoas de feições europeias (traços mais finos, olhos claros, cabelos lisos...), como com traços árabes (olhos mais amendoados, sobrancelhas mais grossas e bem desenhas, cabelos escuros e ondulados, pele mais morena...). E ao mesmo tempo, existem pessoas das mais distintas origens.

Turcos (ou Turks - como podem ser conhecidos, quase que como uma raça nos tempos mais antigos), como Curdos (que infelizmente dias atrás, fizeram uma série de ataques em Istambul, inclusive com um pronunciamento, de um líder curdo expressando a vontade de ser uma nação independente da Turquia - leia aqui - foi bem no dia do aniversário do Emre, dia 15 de Julho agora e ele ficou bem triste. Mudou até a foto do perfil dele pra uma bandeira pra Turquia. Ele e muitos outros amigos, mudaram suas fotos para símbolos de luto ou de amor pelo seu país, achei isso muito legal. Acho que em torno de 15 soldados mortos, e pude ver na jornalista da CNN Turk a voz trêmula. Ele nem conseguiu se conter e chorou ao vivo. Aquele povo ama mesmo o seu país, viu)

Fora que, como todo mundo já deve estar careca de saber, Turquia é um país euroasiático, altamente turístico, tanto pela beleza, quanto por ser um país altamente cultural e cheio de história pra contar.

Também faz fronteira com alguns países como: Grécia, Bulgária, Iraque, Síria, etc.
Sem falar que na Europa, é fácil viajar pra qualquer lugar, porque de avião é tudo relativamente perto, e as companhias aéreas fazem vôos a preços muito baratos. E quando digo barato, é barato mesmo, tipo R$150/200 Turquia/Itália. E eu paguei R$180 no Trajeto Rio/São Paulo pela TAM. É pra revoltar né?

Eu posso até comparar Istambul, com o Rio de Janeiro, no quesito turismo e gente de toda a parte. As áreas nobres de lá, se equivalem a Ipanema/Copacabana daqui. Mar, muito turista, gente bonita, muita coisa pra fazer, os melhores restaurantes. Com um porém... O que eu gastei lá em 1 mês, com comida e transporte, gastei em 9 dias aqui no Rio. Se mataaaaaaaaa.

Então é claro, que vai ter todo o tipo de gente, todo o tipo de música, todo o tipo de estilo e gosto. Rock, Pop no estilo americado, Pop com pegada turca, baladas românticas, e por aí vai...

Então aqui vão meus cantores e bandas favoritas (com algumas músicas e até vídeos, que vale a pena checar). Não são os mais tradicionais, e não sei se são os preferidos do povo turco, mas grande parte disso via nos canais de clipes, no mês que passei por lá (porque era só o que eu consegui entender na TV, ha!)


  • ATIYE
Atiye - Muamma (No melhor estilo Pop Turco)

Atiye - Nobody (Cantando em inglês)


Atiye - Budur 


  • YUSUF GUNEY
Yusuf Guney - Serserin Oldum


Yusuf Guney - Adi Sensin (Romântica)


Yusuf Guney - Unut Onu Kalbim

  • SILA
Sila - Acisa da Oldurmez (Voz típicamente turca)

  • EMRE AYDIN
Emre Aydin - Son Defa (Essa é mais rock. Vídeo lindo, até chorei)



  • MUSTAFA CECELI
Mustafa Ceceli & Elvan Gunaydin - Eksik (Tocou muito por lá também, eu e Emre ouvíamos e choravamos juntos, unf)


  • HANDE YENER
Hande Yener - Çop (Essa embalou nós 2 aqui no Rio)


  • DEMET AKALIN
Demet Akalin feat. Fatman Scoop - Umutsuz Vaka (Super pra dançar com um rapper e tudo!)

Demet Akalin - Evli, Mutlu, Çocuklu (Ueeeepa haha)

  • SERTAB ERENER
Sertab Erener - Rengarenk (eba, achei com tradução - todo colorido o vídeo, lindo)


Sertab Erener - Istanbul (Gente, eu me arrepio e quase choro quando vejo esse vídeo, porque estive em 90% desses lugares, que saudade de Istambul!)


  • O príncipe turco do Pop, TARKAN
Tarkan - Simarik (A SUPER CLÁSSICA! Quando nenhuma de nós era turcolover ainda, já sacodia os quadris quando ouvia a melô do beijinho - que o Latino e a Perlla fizeram o favor de estragar rs)

Tarkan - Dudu (Video antiguinho, mas uma música clássica e com tradução)


Tarkan - Arada Bir (Você, turcolover, que quer trocar de lugar com a mocinha do clipe, pede pra Deus, porque pedir não custa nada. Eu não, porque sou comprometida ;)


Tarkan - Isim Olmaz (Coisa mais fofinha essa, me lembra o Emre <3)


Tarkan - If Only You Knew (Em inglês e ultra romântica, ai ai...)




Tarkan - Acimayacak (Umas das que tocava sem parar em Fevereiro lá na Turquia - Pra quem não reparou daí que tirei o que escrevi na parte de comentarios "gel, gel, gel guzelim")


Cacilda, pensei que fosse escrever esse post em 10 minutos, e demorei 1 hora e meia. Hahaha. Espero que gostem das sugestões. Quando tiver mais conhecimento, vou postar aquelas músicas histórias, com mais significados, instrumentais, típicas... aquela coisa toda, que não só de pop é feita a música turca.

Aaaaaah, e quem quiser saber mais sobre o que anda tocando atualmente por lá, tem um link que meu amado achou, com lista de rádios turcas.
É só clicar em 'Diger Radyolar'. As minhas preferidas são: Metro FM, Radyo Mydonese (que tocam praticamente músicas estrangeiras, mas só musicão!) e Joy FM (que parece JB FM, com aquelas músicas antigas americanas sabe? Dire Straits, Mariah Carey, Celine Dion, hehehe essas coisas). As outras são rádios turcas mesmo. Vocês vão gostar, ficava ouvindo isso o dia todo quando tava no estágio.
Optum! 

sábado, 23 de julho de 2011

Primeiro (re)Encontro

Não foi a primeira vez que o vi. Mas parecia que meus olhos estavam diante dele, em carne e osso, como se fosse a primeira vez.

A última semana na minha casa foi uma loucura porque tudo girava em torno da chegada do Emre. Mas olha, no dia que ele estava chegando então, foi emoção até demais haha.

Quinta-feira à noite, o vi antes de viajar e eu não conseguia parar de rir. Checamos os últimos detalhes pra ver se ele não tinha esquecido nada: roupas, coisas pessoais, dinheiro, documentos. Estava tudo certinho, esse garoto é o meu orgulho. Ele é muito organizado, muito mais do que eu, então isso facilita e muito as coisas. Foi difícil até pra desligar o Skype. Ele me dizia tchau e eu rindo que nem doida.

Emre: Então tchau amor. Tenho apenas mais 5 horas pra dormir, te vejo amanhã!
Jessica: Tchau amor, hahahah, vou te ver amanhã, não acredito!
Emre: Haha, eu também não acredito, estou tão tão feliz.
Jessica: Eu também, nossa, não estou me aguentando aqui, vai lá askim, você precisa dormir.
Emre: Ok, askim, estou mesmo morto de sono, te amo, beijos.
Jessica: Beijos askim. HAHAHAH, você vem me ver amanhã, olha que lindo.
Emre: Hahah, eu sei, garota maluca, beijos.
Jessica: Mas eu não tô me aguentando, mas ok ok, vai lá. Eeeeeeeee, vou te ver amanhã. vou te ver amanhã.

Hahah, e assim fui eu falando mais um monte de retardadísses.

E no dia seguinte, dá-lhe Jessica vendo os últimos detalhes.

Chegando perto do horário do vôo dele chegar no Brasil, a tensão era total. Graças a Deus deu tudo certo no vôo da Turkish Airlines que parava no aeroporto de Guarulhos. O vôo chegou adiantado, como sempre (cerca de 10 minutos). E 19:30 ele já estava no balcão da TAM para o vôo pro Rio que era as 21:29.Mas no meio dessa confusão, o ônibus que ia levá-lo de Guarulhos até o aeroporto de Congonhas, também em São Paulo, atrasou. Com isso ele perdeu o vôo pro Rio. Ele, tadinho, me ligando todo nervoso. A primeira viagem dele pra fora da Turquia, e acontece isso. Eu ligando que nem louca, querendo matar a mãe de todo o aeroporto de congonhas e disseram que ele ia ter que dormir lá e pegar vôo no dia seguite. Mas ele largou a pose de bonzinho, falou mais alto com um atendente lá e tudo se resolveu.

Esperamos mais umas 2 horas. Fomos eu, minha tia, minha prima e meu avô pro aeroporto internacional do Rio (Galeão)esperar por ele. Fiquei quase agarrando o guarda, de tão perto que eu fiquei ali da porta de saída.

Meu coração batia que nem louca. Só nesse momento eu pude entender o que foi que ele sentiu quando eu cheguei lá. Eu tava meio anestesiada por causa do cansaço do vôo. Foram tantas horas e o desconforto foi bem grande porque o avião tava lotado. Então cheguei lá e as horas foram tirando um pouco de toda aquela adrenalina inicial. Mas olha, pode ter certeza, quem está do outro lado esperando, sofre mais com a ansiedade e nervosismo.

Sem exageros, eu tremia de cima a baixo, tanto que grudei na minha prima, fiquei abraçada nela e não soltava  mais, porque se eu tivesse lá sozinha acho que caía durinha no chão. Ele me disse que ia vir com a blusa oficial do Brasil que dei a ele de presente. Então era só ver alguém de amarelo que eu ficava mais branca do que eu já sou e quase esmagava a minha prima. Minha tia ficou brincando comigo:

Tia: Aaaaaaah olha aliiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, o guarda do aeroporto.

E eu: Tiiiiiiiiiiiiia, pelo amor de Deus, não me faça isso, você falou 'alí' eu eu quase morri aqui.
Ela fez isso mais umas 5 vezes, pra tornar a minha morte algo mais doloroso.
Não importava se era gordo, magro, branco, negro, baixo, alto... eu via algo amarelo e já suava (mais) frio.

Até que finalmente (nem demorou muito), ele passou pela porta automática e PRONTO.
Cabou o mundo, acabou a Jessica, o meu cérebro parou, o coração explodiu, os sentidos sumiram...
Eu verdadeiramente não tive nenhum raciocínio. Eu comecei a gritar.
Só que aí, eu me dei conta de que não ava gritando sozinha. Eu, minha tia e minha prima estávamos gritando histéricas. Meu avô, provavelmente rindo da nossa cara. Mas eu sei lá, naquela hora, nem sabia o que era um avô, não sabia mais nada.

Aí ele soltou aquele sorriso lindo que ele tem e falou baixinho "Oh my God", todo envergonhado com as Emrezetes dando piti no aeroporto. Daí, dei a volta naquele corrimão ao redor da porta, e fui em direção a ele.

O resto dá pra ver mais ou menos nesse vídeo, que minha prima pra lá de amadora fez (não sei como ela conseguiu borrar tanto a imagem!)

video
Ps: olha que bonitinho o modo como ele cumprimenta os mais velhos. Ficou todo mundo meio sem entender, depois eu me lembrei que ele já tinha me dito a respeito. Geralmente ao vistar mais velhos (do que você), depois de tempos de ver, ou ao sair, sabendo-se que vai estar mais tempo longe... ou então em ocasiões especiais, como eventos de família ou comemorações religiosas, cada pessoa cumprimenta quem for mais velho do que ela assim. Beija-se o dorso da mão, e depois a coloca na testa. É lindo de se ver o respeito pela família. Por isso mais e mais, com os defeitos que possa ter, ele é mesmo o meu príncipe encantado.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Um Turco em Terras Tupiniquins

Não sei se vocês sabem, mas o Emre vem pro Brasil.

- pausa pra eu correr pela casa e rir de felicidade -

Ele chega amanhã a noite eu não me aguento de tanta felicidade.
Juro, meu relógio despertou hoje, eu abri o olho e a PRIMEIRA coisa que me veio a cabeça foi: o Emre chega amanhã. Aí comecei a rir do nada. Tá um frio danado aqui no Rio de Janeiro (frio danado leia-se pra uma carioca) e sair cedo da cama é uma tortura pra qualquer um.

Hoje eu nem tenho porque de fato acordar cedo. A não ser as últimas coisas que preciso preparar pra chegada dele. Mas acordei hoje cedo, e feliz da vida. O que o amor não faz com uma pessoa, né?

Passaram-se 5 meses, desde que o abracei pela última vez no aeroporto Ataturk em Istambul.
Lembro que foi muuuuuuuuito difícil soltar a mão dele e entrar naquela fila de passaporte. Só de escrever minha última frase, me veio um flash na cabeça, de quando o vi diante de mim pela última vez. É um misto de profunda felicidade ao lembrar do como me sinto quando estou ao lado dele, e também um sentimento de tristeza por saber que ainda temos um longo caminho a percorrer. Sei que estamos juntos nessa e isso me acalma.

E agora ele vem de novo. Eu já avisei pra todo mundo e pra ele também. Não me responsabilizo por meus atos no aeroporto. Quando eu olhar pra ele vou sair correndo e pular nele e não soltar até dia 18 de Julho (que é quando ele volta - Jessica chora).

Eu tô maluca correndo de um lado pro outro, tentando deixar tudo da melhor maneira possível.
Minha família, meus amigos e eu estamos muitos felizes e queremos fazer de tudo pra esse turquinho se sentir feliz e em casa enquanto estiver aqui.

Fiz uma lista de coisas pra fazer.

- Limpar a casa (Sempre é preciso limpar a casa mas dessa vez é diferente, queremos deixar tudo brilhando. Minha vó até quis comprar coisas novas, pra ficar impecável)

- Escolher o que cozinhar pra ele comer, de maneiras que ele experimente coisas do Brasil, mas que possa gostar. Peguei o livro de culinária turca que minha mãe me deu, mostrei pra minha vó, e fizemos algumas decisões.
a) Vai ter strogonoff e bife a milanesa com batata-frita pra ele jantar, quando chegar.
b) Vai ter Gnocchi (ou Nhoque, como você preferir) pro almoço.
c) Churrasco de boas-vindas na minha tia Marisa de tarde
d) Pudim, pavê e bolo pra sobremesa (engordei só de escrever)

- Me certificar de que NADA do que ele coma tenha absolutamente nada de porco. Ela já falou 50 vezes isso na minha cabeça e tá apavorado achando que a gente usa banha de porco pra cozinhar hahaha. Tive que fazer uma declaração reconhecida em cartório prometendo que não vou deixá-lo comer porco. Na minha casa já estão todos ameaçados de morte, caso pensem nisso.  Cachorro quente é de frango. Frango, carne e linguiça, cada um no seu respectivo espeto e no seu respectivo prato depois. Nada de mistura. Feijão só com carne de boi.

- Um lugar legal pra gente ficar aqui no Rio.

- Programação turística. Meu amigo Dudu que sabe tudo de Rio e gringos me ajudou. E rolou toda uma enquete e pesquisa no Facebook também.

Alô, miopes de plantão. Uni-vas! CLICA e a foto fica maior!
- Listinha de músicas fofas e românticas pra ficarmos abraçadinhos (aceito sugestões!).
Essa e Essa aqui estão na lista. Ai ai... :)

- Me embelezar. Escova, pintar unhas, fazer sobrancelha, todas aquelas coisas né.

- Carta-convite: Não é oficialmente reconhecido (creio eu) nem obrigatório, mas nossa mentora em assuntos otomanos, Marcela, é advogada e me deu essa dica. Quando fui pra lá, foi minha primeira viagem internacional. Se eles me perguntassem no aeroporto o que ia fazer e onde ia ficar, e eu dissesse "Vou me encontrar e ficar com meu namorado turco, que conheci pela internet" acho que não ia ser uma resposta muito legal. Então pedi a ele que me fizesse uma carta que me convidasse ao país, com informações dele e contato para que em caso de suspeitas, a polícia federal pudesse contactá-lo e se certificar do que eu estava falando. Dessa vez, eu fiz uma carta pra ele. Quando ele voltar, vai levar coisas minhas (frio na barriga!), então adicionei isso na carta também. Ainda mais que o povo já implica com quem é muçulmano, então todo cuidado é pouco.

Taí o modelinho que eu criei, caso alguém precise.


- Providenciar um celular pra ele, caso em algum momento estejamos longe aqui no Brasil, e adicionar todos os números na agenda com nomes em inglês pra ele entender.

- E outras coisas que depois eu vou contar melhor, pode deixar ;)

Espero que dê tudo certo. Ele chega 22:39 no aeroporto Santos Dumont. Mal posso esperar!

domingo, 3 de julho de 2011

Coisas que você precisa saber ao namorar ou se casar com um turco!

[Detesto fazer generalizações assim. Então, o post a seguir, não é uma regra geral ou uma verdade absoluta. São apenas percepções minhas e um guia prático amador para brasileiras hehehe]

*Atualizado - adicionei outro tópico*
  • Turcos são sim, muito mais românticos e carinhosos do que a média dos homens brasileiros. 
  • Mesmo eles sendo assim mais sensíveis, atente. Existem muitos safados por aí, já tive a oportunidade de conhecer, um deles é até um amigo querido, mas com mulher ele não presta.
  • Em geral, uma vez que se apaixonam, vão logo falar de casamento com você.
  • Tratam seus amigos como irmãos. Por isso você vai ver muitas fotos de abraços entre homens turcos. Não se espante, não significa que ele é homossexual, é apenas um traço cultural. No Brasil é que homem tem essa coisa de se mostrar 'machão' o tempo todo.
  • Em geral são ciumentos. Podem não falar nada de outras mulheres ou amigas, mas se você é casada ou namorada de um turco, ele vai ficar de olho na sua roupa, se sua saia é curta, se está usando decote. (Meu namorado me ajuda a escolher meu esmalte - meu sonhooo, brigada amor! - mas alguns não gostam muito de esmalte)
  • Por mais modernetes que possam eles sempre amam aquelas músicas turcas antigas e suuuper dramáticas, onde as mulheres tem a voz super grave e parecem estar sofrendo horrores. Ai de você se criticar. Quase assim, só lembrei da Sila, mas tem outros exemplos melhores.
  • Eles não comem carne de porco. Pela religião que não permite, mas também porque eles tem mesmo muito nojo. Logo não vão gostar que você coma carne de porco também (adeus presunto, salsicha, linguiça...). E se eles vierem ao Brasil, vão te perturbar na velocidade 5, pra você não deixá-los comer. Melhor ficar bem atenta.
  • Ao se casar com um turco (desculpa, se vou constranger alguém), ao terem relações sexuais, eles tomam banho quase que em seguida, logo as respectivas esposas precisam agir da mesma forma. 
Aí você me diz:
-Ahaaaa, como sabe disso, dona Jessica? Converse com uma esposa de turco que você pode saber.
Ou então pode dizer:
-Credo, né, Jessica, todo mundo toma banho! Sim, todo mundo toma (ou deveria) tomar banho depois do ato sexual, mas eu digo, não tem aquela coisa de sei lá... estar tarde, dormir e tomar banho assim que acordar. Tem que tomar banho antes de dormir. Muçulmanos precisam sempre estar muito limpos ao orarem, pra isso eles fazem a ablução. Segundo Emre, um muçulmano não pode morrer, por exemplo, se não estiver limpo, se não estiver puro. Então por isso essa preocupação em estar sempre puro, segundo as instruções do Alcorão.
  • Família é algo muito importante! Por tanto, tenha respeito e carinho com a família dele. Te aconselho a especialmente não querer bater de frente com as mães deles. Além de não ser legal e ser desrespeitoso, certamente eles não vão gostar nadinha.
  • As visitas são tratadas como reis e rainhas. Logo, quando você for a Turquia, será muitíssimo bem tratada. Muitos sorrisos, abraços, presentes, comida farta... você vai se sentir uma verdadeira princesa. Maaaaaaas, contudo, porém, entretanto, quando você for a dona da casa, se prapare: você vai ter que fazer mil pratos e doces gostosos, estar sempre atenta a tudo que sua visita precisar, dar muita atenção, ser agradável. (Quando a Clau foi na minha casa em Istambul com o marido dela Umit, Emre quase me matou quando demorei na cozinha pra trazer a sobremesa do Umit hahaha. Ele disse que as visitas não podem esperar assim. - Beijos amor, ainda te amo! hahah)
Meus queridos amigos e convidados: Clau e Umit
Eu e amorzinho - favor não reparar na minha cara de acabada! haha

Nosso jantar maravilhoso graças a Clau! Olha aí nosso amigo pãozão de todas as refeições turcas!

Minha humilde contribuição - bolo de limão com recheio e cobertura de brigadeiro. Umit amou, daí dei pra Clau de presente uma caixinha de leite condensado hahah.

  • Lá você é prometida, depois você noiva, depois você casa. Perguntei ontem a diferença, de prometer e noivar, pra um amigo do Emre que está pra se casar e ele disse que não sabe, já que você troca alianças em todas as situações. Emre também não sabe, e nenhum outro amigo turco sabe. Ou seja, homens não sabem de nada haha.
  • Se vocês tiverem um filho homem, mesmo que você seja cristã, e tenha vontade que seu filho seja cristão, certamente seu filho será circuncidado. Todos os muçulmanos são, não seria diferente com seu filho. 
  • É bom que você não seja uma desgraça como eu na cozinha e saiba fazer coisas gostosas. Qualquer homem ficaria feliz com uma mulher que saiba cozinhar. Os turcos também. As mães dos turcos também, então faça como eu e peça já o seu livro de culinária turca rs.
Livro que minha mãe deu pro Emre cof cof cof, me deu de presente! (porque afinal quem sai ganhando é ele!)
  • Controle seus instintos latinos, porque você não vai ficar beijando ou agarrando seu namorado/marido em público. No máximo um beijinho muito rápido e bem discreto, de preferência quando ninguém tiver olhando e olhe lá. Isso não é comum entre os casais. Fora isso, só no rosto, contentemo-nos.


  • Falando de casais mais jovens, virgindade é um assunto bem importante. Seja qual for o caso, seja sincera sempre. Para casais mais maduros, isso perde um pouco a relevância, claro. Muitos já foram casados, já tem filhos, então a história é outra.
  • Ninguém vai te obrigar a usar véu, não se preocupe. Podem até preferir e terem o desejo de que um dia você se converta. Mas no Islam, é proibido e é um erro muito grave, uma pessoa obrigar outra a se converter. Até porque a conversão real, vem da vontade sincera, logo nenhum bom muçulmano fará ou insinuará algo assim.
Só é obrigatório mesmo o véu, em mesquitas. Essa é a Mesquita Azul. Linda!
  • Eles não podem ter 4 esposas. Turquia, como já disse outras vezes, é um país democrático, ou seja, regido por uma democracia, onde as pessoas votam, tem um código de leis, existe um presidente. E o livro constitucional turco e de mil outros países de maioria muçulmana, NÃO ACEITA legalmente relacionamentos poligamicos. Pode até existir, como acontece no Brasil, mas por debaixo dos panos. Aliás, isso não é muito bem visto. Experimenta dizer pra uma esposa turca, muçulmana fiel, que o marido dela quer (ou tem) outra mulher? Você verá uma mulher enfurecida.
Mas o que o Islam, diz sobre isso? Basicamente por 2 motivos.
1. Nas sociedades mais antigas, onde mulheres tinham pouco direito a opniões, e eram totalmente dependentes de seus pais, e em seguida, do seu marido, muitas ficavam na ruas passando fome, sujeitas a todo tipo de necessidade caso seus pais, irmãos mais velhos ou maridos morressem numa guerra, por exemplo. Nenhuma mulher trabalhava, e sem um homem que as sustentasse, elas estariam em miséria. Logo, o profeta Mohammed disse (segundo instruções divinas, para muçulmanos) que era permitido o casamento de um homem com ATÉ 4 esposas, para cuidado destas mulheres. Muitos homens se casavam com primas ou irmãs de suas esposas, a pedido delas, para que suas irmãs não ficassem desamparadas.
Só que tem uma condição: Se o homem achasse que não teria condições de dar IGUALMENTE afeto, atenção e até bens materiais para suas esposas, ele não deveria em hipótese algum ter outras esposas. Devendo ainda ter consentimento de sua primeira esposa. O casamento é algo sagrado e não para homens se satisfazerem como bem entenderem.
2. Li que a tendencia, é que no mundo, tenham mais mulheres do que homens no futuro. Isso resultaria num grande desequilibrio, onde muitas mulheres não encontrariam um par.

POR ISSO, a poligamia no Islam. Lembrando que a bíblia no antigo testamento fala de inúmeros casos de poligamia. Não julgo os argumentos. Simplesmente entendo e respeito.
Aconselho que leiam mais sobre o assunto aqui.

Não lembro mais do quê! Haha, depois conto mais. Beijos

sábado, 2 de julho de 2011

E a família dele? - Parte 2

Até onde eu sei, na Turquia não existe mais aquela história de casamento arranjado.
Mas uma coisa é certa. As relações familiares são muito estreitas, o que, na minha opinião, é uma vantagem em muitos aspectos. As famílias são mais próximas, os filhos respeitam mais os pais, os pais têm seus filhos e o bem estar da família como prioridade. De verdade, numa vida frenética, com tantas novas configurações de família, vejo esse tradicionalismo como algo muito positivo. Pra sociedade, pra família, pro indivíduo.

Mas claro, dentro dessa característica que ainda é muito forte na sociedade turca, existem muitas coisas no meio dessa massa. Não necessariamente negativas. Mas provavelmente difíceis de serem compreendidas pela maioria que se diz tão mente aberta, mas é incapaz de ver e entender o ponto de vista de outras culturas e tradições mais antigas que a nossa própria tradição. Com isso, os pais tem papel fundamental na hora da escolha da noivo ou noivo de seus filhos

Conheci os pais dele há uns meses atrás pela webcam, numa das visitas que ele os fez.
A sobrinha dele tinha acabado de nascer, e ele foi ver a irmã e os pais. Foi a primeira vez que os vi.
Para eles, que nunca tinham visto ninguém pela webcam antes (meus avós, com quem eu moro, também só foram conhecer essa 'tecnologia toda' ano passando quando minha mãe foi morar em Portugal e a víamos para matar as saudades), foi algo muito suspeito.
Não foi difícil ver que tinha algo acontecendo entre nós dois. Ele era um rapaz jovem de 23 anos, conversando com uma brasileira, na época de 22 anos, que se viam por webcam com frequencia. Não que eu não acredite em amizades entre homem e mulher, ou amizade virtual, mas no nosso caso era (e é, na verdade) algo pra se perceber. Ainda os vi, mais umas 3 vezes, e sorríamos muito. Quando eles iam ver, estava lá o Emre, no laptop falando comigo. Até que um dia, a irmã dele viu a minha foto no celular dele, e bem... ficou tudo muito na cara.

Perdi as contas de quantas vezes ele me contou, de ter sido altamente questionado pelos pais a meu respeito. Às vezes, 2 ou mais vezes num mesmo final de semana. E ele, sempre no meio dessa história toda, tadinho. Não quer ficar longe de mim, mas é claro, que também não quer brigar ou desapontar os pais. Sei que muitas meninas não entenderiam essa história da família não aceitar. Cada caso é um caso, e eu sei diferenciar malandragem de homem que quer esconder a garota pra ser esperto, de alguém que está simplesmente querendo ir devagar pra não entristecer ninguém, não gerar brigar e claro, estrategicamente conseguir conciliar todas as coisas.
Como diz a minha mãe, isso é muito mais inteligente, do que se possa imaginar. Ir comendo pelas beiradas e aos poucos ir conseguindo toda as coisas.

Confesso que, ainda assim, tenho medo. Penso muitas vezes, que depois que eu for pra lá, e os conhecer pessoalmente, eles podem, ainda assim, não gostar da ideia e não me aceitar sob condição alguma. Eu e ele, já terminamos uma vez (não durou mais que 2 dias) por esse assunto. Eu acreditei que eles não iriam mesmo entender, então achei que essa história não tivesse futuro.
Mas o posicionamento dele fez TODA a diferença. Ele me deixou segura e deixou claro pra mim, que não me deixaria ir a lugar algum. Mesmo que tenhamos que lutar mais, esperar mais, ele me disse que não saberia ser feliz como é feliz comigo com outra pessoa. E é assim que me sinto também.
"Amor, não vou deixar você ir a lugar algum. Eu te amo muito pra te deixar ir e aprendi o que é amor com você. Não podemos desligar a televisão, acreditando que o final vai dar errado. Precisamos assistir até o fim". 
E isso faz todo o sentido pra mim. Ele prometeu não me deixar e eu prometi ir até o fim.
Temos uma promessa um para o outro e vamos levá-la com firmeza.

Ultimamente, tem acontecido algo que me deixa triste. Os pais dele querem se mudar de Kirsehir. Eles vivem lá há muitos anos, mas antes disso, querem que o Emre se case logo. O pai dele está pra se aposentar em 2014, então até 2013, os pais dele querem que ele se case. Porque acontece assim: na festa de casamento de lá, não existe chá de panela, ou lista de casamento, onde os convidados podem comprar móveis ou eletrodomésticos para ajudar os noivos na sua nova vida juntos.

Mas as pessoas presenteiam o casal com dinheiro ou ouro. Inshallah! heheheh
Mas não muuuito ouro, como só pessoas muito ricas fariam. Mas o que cada um pode. Desde medalhinhas, a cordões ou, quem sabe, barrinhas de ouro. A noiva tradicional turca (usando o véu ou não, para cobrir os cabelos) usa um tipo de faixa vermelha, onde as pessoas prendem estes presentes. É engraçado, porque ela está lá, toda linda, de branco, cheia de notas de liras turcas e medalhinhas de outro pendurados nela. É bem diferente.
Então, os pais dele, durante muitos e muitos anos, presentearam amigos, familiares e vizinhos com dinheiro e ouro. Por isso, o Emre, PRECISA se casar, antes deles se mudarem, pra poder receber o mesmo tanto de ouro, destes mesmos amigos, familiares e parentes. Hahaha, eu super apoio a ideia, porque afinal, é uma ajuda e tanto.
Por isso, eles ficam querendo apresentar meninas pra ele. Chorei todas as vezes que ele me contou de uma menina nova que os pais queriam que ele conhecesse. Mas logo depois me acalmo de novo, porque sei que isso não vai diminuir em 1mm o nosso plano.

Muitos vizinhos dos pais pediram pra ele conversar com as respectivas filhas. Ele sempre se recusou a se quer vê-las. Por essa pressa, eles ficam sempre procurando futuras noivas, e isso é doloroso pra mim... imaginar que alguém quer que quem eu amo e sonho em me casar e formar minha familia, se case com outra pessoa e sonhe outros sonhos ao lado dela.

Não tenho raiva e não os culpo. Apenas tento me segurar e seguir. Os entendo. Que pais não querem o melhor para seus filhos? Amigos meus, tão jovens quanto eu, tinham medo. Que dirá, eles do lado de lá! Minha tia, até criou um código comigo. Se eu chegasse lá e estivesse correndo perigo com ele, eu tinha que dizer "açaí' hahahhah, Beijos Tia Marisa! A mãe de uma amiga ficou em oração aqui no Brasil, pra ele não ser terrorista, não vender meus órgãos nem me vender pra prostituição de estrangeiras, hahahaha. Beijos também, Pri e mãe da Pri! Tra!

O nosso plano é ir com calma, eu chegar lá ano que vem, conhecê-los, ter a chance de mostrar quem eu sou, que não sou nenhuma rebelde, imoral, do mal... ou sei lá mais o que. Temos vários passos pra alcançar. Muitos já pudemos riscar na nossa lista. Ir a Istambul? Não sabia se iria mesmo um dia, e fui.
Quando Deus permite, as coisas acontecem e até mesmo fogem ao nosso entendimento. Lutando, eu estou a cada dia que me levanto. Mas posso ir só até um ponto. Depois desse ponto, entra minha fé em Deus.
Cheguei onde não acreditei mesmo que fosse chegar. Mas se Deus nos ajudar, podemos ir ainda mais longe.

Quando chegar 2013 vou vir aqui postar minha foto de casamento, vocês vão ver. ;)