segunda-feira, 10 de outubro de 2011

As implicâncias dele

Pois bem. Todo mundo tem na sua mente um comportamento único e característicos de TODOS os turcos.
As perguntas que geralmente a gente escuta é:

- Como são os turcos?
- Como são as famílias turcas?
- Todos oram 5 vezes ao dia?

E por aí vai. Pra todas essas perguntas, existem as mais diversas respostas. Claro que existe sim um traço característico de um grupo específico de pessoas ou de uma nação. Quando meu namorado fala que sou brasileira, uma das coisas que pensam é sou aquela morena bronzeada de praia ou negra. Verdade, se comparado com a Turquia, o número de afro-descendentes no Brasil, é de fato maior, e não só notamos isso nas ruas, como temos um percentual comprovado de brancos, índios, pardos, japoneses, e por aí vai... A partir daí, já vemos UM DOS fatores que caracteriza um pouco da cara do povo brasileiro. Entretanto, somos feitos das mais diversas características, não só físicas, como religiosas ou culturais, por exemplo. Do Norte para o Sul do Brasil, existe uma grande diferença. Então pense mais ou menos assim, no que diz respeito a uma pessoa, nascida na nação turca.

Porque isso tudo? Porque hoje vim falar das manias e das implicâncias que meu namorado tem comigo. Não como um característica geral do homem turco. Mas como características DELE, exclusivamente dele. Pode ser que muitas dessas características você veja numa outra pessoa, pode ser que apenas alguns detalhes sejam similares, mas pode ser também que seja tudo similares. Vamos lá:

- No meu entendimento do que é ciúme, sabe que ele nem é tão ciumento assim?
Ele DETESTA a possibilidade de eu usar decotes, usar shorts, saias ou vestidos curtos que não sejam pra ficar dentro de casa. Engraçado que um dia eu tava com uma camisa em V, com ele dentro do ônibus aqui no Rio, e ele tava enfiando a cabeça de baixo do meu queixo dizendo "Olha isso, tá vendo só, e se fosse outro homem sentado do seu lado? Ele ia ver tuuuudo aí dentro da blusa!". Daí eu disse: "É, só que pra isso, ele ia ter que estar praticamente abusando de mim, enfiando a cara dentro da minha blusa, porque nem eu, que estou dentro dessa blusa, tô vendo nada aqui dentro!" hahahahahaha. Confesso que na hora eu fiquei irritadinha, porque a gente não tá acostumada com essas coisas mas depois passou.
Fora esse cuidado com roupa, e de quando em quando perguntar se tem alguém dando em cima de mim (porque né, eu sou Valéria Vasquez, a bonita hauiahaiuah), ele sabe dos meus amigos homens, e é amigo deles, se eu tiver que sair, ele só me deseja um bom passeio, e na verdade fica feliz quando saio, porque fico sempre muito dentro de casa. Tem gente que não gosta, mas pra mim funciona: temos as senhas um do outro, e ele não é de ficar revirando meu e-mail, entrando na minha conta não, é muuuito raro). E por aí vai. Dá briga, as vezes dá, mas a gente vai se encaixando.

- Zé Limpinho. 
Minha mãe criou essa expressão e eu acho tão engraçada! Zé Limpinho hahaha. Vou te confessar que eu adoro homem assim. Meu tio é muito assim, meu pai é muito assim também. Aquele homem que sai do banheiro e deixa a casa toda cheirosa? Não deixa chão molhado, não deixa torneira aberta e eu nunca vi a tampa do vaso levantada, pra nenhum dos 3. Sempre de desodorante e perfume, acho que é assim que tem que ser. Mas cara, meu namorado é tão chato, tão chato com limpeza, que eu me sinto A IMUNDA perto dele, as vezes sabe? Hahahaah.

1)Quando eu tava Istambul, eu tava de bota, porque tava um frio miserável, entrei na casa que eu ia ficar, e tinha o armário pra colocar sapatos na entrada. Só que não tinha onde sentar. Já ia eu entrando pela casa adentro, de sapato. De cara, ele já arregalou o olho e perguntou onde é que eu estava indo de sapatos no pé. Isso é mesmo hábito lá na Turquia. Daí a tontona, volta, e senta no chão, pra abrir o zíper da bota de cano alto. Ele me olha com cara de PAVOR e perguntou porque eu tava sentando no chão, que o chão é sujo, que as pessoas pisam, se tinham eu que tinha limpado o chão, pra sentar daquele jeito (nós próximos 30 dias, eu limpava o chão praticamente todos os dias, e quem disse que mudou?). Imagina eu, que tenho mania de sentar em escadas, ou em pedacinhos de calçada quando tô muito cansada na rua? Já viu...
Tio Emre briga! rs
Lá fui eu, tirar a bota que nem Saci Pererê. Ufa, tirei. Quando fui sentar no sofá pra relaxar, volta seu Zé Limpinho, perguntando o que eu estava fazendo sentada no sofá. Caracoles, eu tava só sentando pra descansar. Daí me vem Zé, me pega com todo carinho pelo braço, e vai me levando pro banheiro, coloca minhas mãos dentro da pia, abre a torneia, despeja sabonete, e lava COMIGO a minha mão. É ou não é pra se sentir a irmã do Cascão?
Antes de comer, beber, lamber, pegar na mamadeira. Lava outrááá, lava uma mão...
2)E outra... o tal do lenço umedecido (É achei que fosse 'umidecido', mas não é). Era sempre um pacotinho de lenços, daqueles de limpar neném. Ele é fissurado naquele treco pra de vez em quando limpar as mãos, ou até limpar pequenas coisas na casa, tipo umas gotas de suco que caem na mesa. E 'AI' do lencinho acabar. Parecia que faltava uma parte dele rsrs. Quando ele veio no Brasil, perguntava porque as pessoas não davam os pacotes de lenços individuais nos restaurantes e por que a gente não tinha isso em casa.

3) Tá. Na minha casa em Istambul, tinha aquelas pias que tem meio que 2 entradas? Teoricamente uma é pra colocar a louça ensaboada, e na outra pra enxugar, né isso? Só sei que eu sempre lavei molhando, ensaboando e deixando no fundo da pia. Depois eu ia enxaguando tudo, tirando uma a uma (das ensaboadas) de dentro da pia e colocando pra secar. Olha, só sei que a gente ficou uma meia hora conversando, do porque eu não podia colocar a louça, uma vez ensaboada dentro da pia, porque era suja, porque tinha bactérias, e eu dizendo, que isso era normal.

- Cuidado com as palavras.
Eu não falo palavrão, nem ele. O que eu simplesmente adoro, aliás, não saberia conviver com um namorado boca suja. Entre amigos e família, claro que escuto o tempo todo. Pra meu namorado não rola não. Mas de vez em quando eu solto umas palavras mais escrachadas. E olha que meu nível de escrachado, é o mais light de todos. Eu não vou nem citar aqui hahaha, mas um dia soltei uma coisa boba e tio Emre deixa não.. Às vezes solto outras, e fico rindo pra irritar ele um pouquinho rsrs, mas ele diz "Askiiiiiiiiiiiiiim, please don't say that, come on!". Daí eu paro rs.

Já falei muito né? Nem eu tô lembrando mais agora, depois eu conto as outras implicâncias dele rs.
Beijocas, boa semana xuxu's :)

7 comentários:

relvis presley disse...

cascona!

deus me lıvre dum ze lımpınho desses... deus me lıııııvre.

ensıneı a tomar banho todo dıa e ja ta bao.

Anônimo disse...

Caraaaaaaaaaa!!! Eu tenho um zé limpinho!!! Agora no Brasil ele aprendeu a ser mais relax... mas no começo era uma batalha. Os lencinhos fazem parte do dia a dia do meu tb. Você sabia que, qdo eu voltei de Istanbul, foi que eu percebi esse negócio de restaurante aqui não ter saquinhos de lencinhos! Comecei até a ficar meio chateada mesmo de alguns restaurantes não terem ao menos uma pia visível (fora a do banheiro) para que role um lavagem nas mãos antes da comida. Eu achava que eu era limpinha, depois do Ihsan, também me senti um cascão!
bjio!

Marise

Kátia Malgueiro disse...

Zé limpinho é ótimo hein hahahahaa!! O meu é normal, mas exagera no perfume hahaha!
Esse negócio dos lenços umidecidos, muita gente em Egirdir me presenteou com isso... ixiii, será q estavam me chamando de cascona por tabela? :S

Esse seu namorado é um Zé certinho também hahahaha!

Beijokas irmãzinha!

Jessica disse...

Relva,
hahahah, relva sua besta! Já é progresso né? :p

Marise,
eu cheguei a fazer coleçãozinha de lencinho umedecido, acredita? Ganhei tanto que trouxe um monte pro Brasil, e sempre carregava na necessaire, pra situações emergenciais, tipo mão suja de leite condensado de pipoca doce, sabe? rs

Katinha,
Hahah, bom que ele é normal, você que vai ficar mais em paz nessa vida viu. Não não não amiga, te deram só por hábito mesmo, relaxa rsrs.
Pois é, zé limpinho, zé certinho, ZÉ CHATINHO tb rsrs, mas eu amo :)
Beijos, irmããã linda

Gislaine Rodrigues disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkk

Isso se chama TOC!
Transtorno Obsessivo Compulsivo e piora com o passar do tempo! kkkkk

Selma valim figueiredo disse...

Ola...adorei ler esse artigo. Pois conheci um turco recentemente e é a pura verdade sobre limpeza, eles sõ muito limpinhos e Ylmaz o turco que conheço, sempre reclama dos arabes que vão ao tempo que não estão cheirando bem. Gostaria de saber mai sobre esse povo, pois estou apaixonadinha por esse rapaz, rs!!!

Dayanna Oliveira disse...

bom dia amiga estou adorando ler seu artigos tenho um namorado turco e não sei nada sobre cultura e costumes vc esta me ajudando muuuuuuito com essas suas dicas rsrs bjos e estarei aqui sempre